Essa vida que me pariu, por Rúbia Gondim

Essa vida que me pariu há 22 anos me deixou coberta de sangue, quase sem ar, pelada, confusa e assustada nas mãos de um completo estranho na primeira oportunidade que teve. Passei nove meses – 5 deles tão atônita que nem me mexi – dentro do ventre de uma pessoa que, sem que eu fizesse esforço algum, cuidou de mim sem pedir referências ou ler meu currículo. Nove meses me esperando e nem a dei a honra de ser a primeira a me ver. Ingrata desde o princípio.

A vida abriu as pernas para milhares. Deu parte dela a tantos. Irou-se com uns filhos devassos. Deu o mesmo cuidado a filhos puros e bastardos. Nunca aceitou os pródigos. O mal dos que tem muitos filhos é que, se de um lado suprem a sua própria necessidade de serem completos, por outro roubam espaços gigantescos dentro de cada ser. Um vazio sem fim, dentro de um corpo limitado. Paradoxo.

Essa vida, pelas esquinas nas madrugadas, leva a conta a quem passa dos limites. Embriaga de desejo os famintos de realizações pessoais. Fadiga os que tentam acreditar que vale à pena. Será que vale?

Tu, Vida, me embriagaste e me viciastes em ti.

Por que me corrompe a seu bel prazer se sou descartável? Se me tens apenas por uma hora como se fosse uma meretriz a espera do próximo inocente disposto a tudo para ser feliz contigo? Por que, se sabe que meu ar é breve?

Se reclamarem de meu comportamento, a culpa é sua, Vida! Toda sua. Foi você que me pariu. Mandarei, de agora por diante, reclamarem a ti.  “-Reclamem à Puta que me pariu!”

Não quero parecer ingrata. É que me entristece apagar velas. Apagar luzes. Sabes que luz representa vida? Estaria eu a apagar um ano de ti em mim? Isso me entristece; não sei expressar tristeza da forma correta. Se você, Vida, fosse um livro dividido em capítulos, iria explicar essa parte apenas no penúltimo capítulo… ainda falta muito – assim espero.

Não sou de me alongar em elogios, nem sou boa em agradecimentos. Deixemos assim, então: “que seja eterno enquanto dure” essa vida, Vida. Que seja boa na medida do possível. Aliás, que SEJA. Apenas seja. Subjetivo? Sim, era a intenção.

Uma música para celebrar (ou seria para pensar?):

Anúncios

Sobre rascunhopub

Um bar, digo, um LUGAR de amigos. Puxe a cadeira, puxe papo, puxe saco! Estamos aqui pra isso.
Esse post foi publicado em Autores, Crônicas, Rúbia Gondim. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s